CORD - Clínica de Ortopedia e Recuperação Desportiva
Rua Catequese 1171, 5º andar | Jardim - Santo André/SP (11) 2669.4700 | (11) 2669.2311

ENTORSE DE TORNOZELO

Uma das lesōes mais comuns, não só na prática de esportes, mas também no dia-a-dia, a famosa torção de tornozelo pode ser simples, sendo resolvida e esquecida em poucos dias, como pode gerar lesōes que quando não forem bem tratadas poderão repercurtir por muitos anos na vida do atleta, dificultando e até limitando a prática ou a evolução no esporte.

Pode ocorrer de diversas formas: em inversão (virando o pé para dentro), em eversão (virando ele para fora) e com rotação associada.

O tipo e a intensidade determinarão o grau de acometimento do entorse. Pode ocorrer desde agressōes simples ou estiramentos em ligamentos, até lesōes completas nestes, como também contusōes ósseas e cartilaginosas, ou, se o movimento for muito intenso e com alta energia aplicada sobre o tornozelo, fraturas ósseas.

Importante relatar que as fraturas poderão ocorrer no tornozelo, próximas ao joelho na cabeça da fíbula (por transmissão de força pela membrana interóssea entre a tíbia e a fíbula) ou na lateral do pé na base do 5o metatarso (por avulsão dos tendões fibulares). 

Como descrito acima, é muito comum, sendo mais observado em praticantes de esportes de contato ou que exigem mudanças de direção e movimentos rotacionais constantes, além daqueles praticados em superfícies/terrenos irregulares. No Brasil é muito visto em futebol, corrida de rua e esportes de quadra.

Após ocorrida a torção, deve-se imediatamente colocar bolsa de gelo no local e elevar o pé e tornozelo para que seja iniciado o combate ao inchaço. Isso deve ser feito de imediato!! E procurar um médico capacitado para avaliar a gravidade da lesão. Exames de imagem auxiliam no planejamento terapêutico, sendo o RX obrigatório no momento inicial, e após alguns dias (espera-se o tornozelo desinchar), uma ressonância magnética pode ser necessária.

O tratamento inicial consiste no protocolo PRICE:

-  P: PROTECTION - proteção = imobilização = Robofoot ou tala gessada (na CORD sempre preferimos o Robofoot para possibilitar o início imediato da fisioterapia)

-  R: REST - descanso = alguns dias de repouso podem ser necessários. Isso dependerá da gravidade da lesão e do inchaço

-    I: ICE - gelo = ajudará no combate à dor e ao inchaço

-  C: COMPRESSION - compressão = somado ao gelo também combaterá a formação do edema

-    E: ELEVATION - elevação = mais um mecanismo contra dor e inchaço.

Quanto mais o tornozelo machucado estiver para baixo, mais dor, tipo latejante, o paciente terá. Neste quesito também está incluída a utilização de muletas mos primeiros dias caso sejam necessárias, para evitar o apoio do pé no chão.

Na CORD também iniciamos a fisioterapia imediatamente, com recursos de eletroterapia e terapia manual para acelerar a retirada do edema e estimular a cicatrização das lesōes (www.fisioterapia.pro). 

A partir de uma analise mais minuciosa o resto do tratamento será determinado e programado.

A grande maioria dos casos resolve-se clinicamente. Em casos aonde a agressão ligamentar ou condral for muito grande, ou quando há fraturas com desvios inaceitáveis ou casos crônicos com instabilidade, uma cirurgia pode ser necessária.

Medidas preventivas incluem: fortalecimento muscular, treino proprioceptivo (coordenativo), botas de esparadrapo ou bandagens elásticas, e calçados adequados.